António Marto, Bispo de Leiria-Fátima

No santuário de Fátima está visível agora a pintura de António Marto, bispo de Leiria-Fátima e cardeal português, da autoria do pintor portuense António Bessa.

António Marto nasceu a 5 de Maio de 1947 em Tronco, uma pequena aldeia de cerca de 500 habitantes, em Chaves , zona rural de Portugal. Sua família era tradicionalmente católica e de origem humilde. Seu pai, Serafim Augusto Marto, era guarda fiscal e sua mãe, Maria da Purificação Correia dos Santos, professora primária. 

António era o mais novo de quatro irmãos, dois dos quais morreram antes de ele nascer aos 4 anos e aos 6 anos, respetivamente; este último foi esmagado em um brutal acidente quando o eixo de um carro de bois quebrou na volta da vindima. A irmã sobrevivente casou-se e teve filhos.  António foi o produto de uma gravidez indesejada , mas bem-vinda. 

Apesar de coincidentemente partilhar o seu apelido com os pastorinhos de Fátima , os Santos Francisco e Jacinta Marto , não têm qualquer relação familiar; O pai de Marto veio originalmente da aldeia de Santulhão, em Vimioso . 

António Marto gostava muito dopároco local , com quem conversava, e que lhe deixou uma impressão duradoura de como era muito estimado por toda a comunidade. Aos 10 anos, depois da educação primária , António manifestou inesperadamente o desejo de ser padre; encontrou inicialmente alguma resistência por parte do pai, que apesar de ser devoto católico, vislumbrou-lhe uma carreira militar e planeava enviá-lo para o Instituto dos Alunos do Exército . Ingressando no seminário, era um estudante interessado e também gostava de passatempos desportivos e teatro.

Iniciou os estudos de Teologia em Vila Real , mas em 1968 o curso foi transferido para o Seminário Maior do Porto , por decisão do bispo. Graduou-se aos 22 anos, dois anos antes da idade mínima para a ordenação . Cativado pelo espírito do movimento operário-sacerdote francês , e por causa da ideia então predominante de que os trabalhadores da classe industrial haviam se tornado amplamente insatisfeitos com a Igreja, António Marto e dois colegas começaram a trabalhar por um ano numa metalúrgica produzindo peças para motores de veículos. Isso os ajudou a obter insights valiosos sobre as questões que afectam os trabalhadores e o mundo dos trabalhadores.

Sacerdócio e episcopado

O Cardeal Marto foi ordenado sacerdote em Roma em 7 de novembro de 1971,  enquanto estudava para seu doutorado em Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana . Nessa época, ele estudou com o Cardeal Joseph Ratzinger .  Concluiu a sua tese de doutorado em 1978, intitulada Esperança Cristã e Futuro do Homem: Doutrina Escatológica do Concílio Vaticano II (“A Esperança Cristã e o Futuro do Homem: A Doutrina Escatológica do Concílio Vaticano II”). 

O Papa João Paulo II o nomeou Bispo Auxiliar de Braga em 10 de novembro de 2000, atribuindo-lhe a sé titular de Tamata , e foi consagrado bispo em 11 de fevereiro de 2001. Ele escolheu como lema episcopal “Servidores da vossa vossa alegria” (Servos de sua alegria).  João Paulo II mais tarde o nomeou Bispo de Viseu em 22 de abril de 2004. 

O Papa Bento XVI nomeou-o Bispo de Leiria-Fátima a 22 de Abril de 2006.  Nesta qualidade, recebeu dois Papas nas suas visitas ao Santuário de Fátima : Bento XVI em 2010, e Francisco em 2017. De 2011 até Em 2014, Dom Marto foi delegado da Conferência Episcopal Portuguesa à Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia .

Cardeal

Em 20 de maio de 2018, Pentecostes , o Papa Francisco anunciou que faria de Marto um cardeal em 28 de junho. [10] Marto soube disso enquanto se vestia para a Missa na Catedral de Leiria : notou uma inusitada chamada perdida da nunciatura apostólica e, preocupado que algo grave (como a morte do Papa) tivesse acontecido, abriu uma mensagem de voz com felicitações inesperadas . do Núncio Rino Passigato em sua nomeação. Ele conduziu a cerimônia, na qual administrou o sacramento da Confirmação a 60 jovens, sem comentar a nomeação; quando a missa terminou, membros da congregação vieram felicitá-lo enquanto ele tirava fotos com o recém-confirmado.

 

Marto criticou uma petição de 500 católicos portugueses dirigida à Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos para anular a decisão da Conferência Episcopal Portuguesa de administrar a Comunhão na mão durante a pandemia. Tendo esclarecido que os signatários “têm direito à sua opinião”, lamentou que os católicos tradicionalistas estavam “questionando a própria fé de seus bispos”, e ainda comentou sobre o tema da Comunhão na mão: “O próprio Jesus disse ‘tome e coma’. Tome, não ‘abra a boca’. ‘Tome e coma; tome e beba ‘. O gesto de Cristo é significativo.” “Às vezes as bocas têm tanta sujeira… Às vezes vejo mãos calejadas recebendo a Hóstia Sagrada e me comovo. São mãos que mostram trabalho, sacrifício, dedicação à família, dedicação aos outros. Mãos de santo, talvez , mãos santas. Por que restringiríamos [receber a comunhão com a devida reverência] à língua?”

_______________

Texto Base, Wikipedia

 

Logo

Nascemos porque acreditamos que a Regionalização é uma prioridade política nacional capaz de criar novos dinamismos sociais e económicos para construir uma sociedade mais justa e próspera.

Politicamente inconvenientes precisamos que seja nosso aliado na defesa da região Norte para enfrentarmos os desafios de sempre. Sem medo, com a independência que nos é oferecida pelos nossos leitores de quem dependemos ao produzir diariamente os conteúdos noticiosos que editamos.

Esteja connosco nesta luta comum. ASSINE AQUI. Obrigado

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com