Rainha Elizabeth II morre após 70 anos de reinado

A rainha Elizabeth II, que a  monarca com o reinado mais lingo da Grã- Bretanha e um símbolo de estabilidade numa era turbulenta que viu o declínio do império britânico e a desordem em sua própria família, morreu na quinta-feira após 70 anos no trono. Ela tinha 96 anos. O palácio anunciou que ela morreu no Castelo de Balmoral, sua residência de verão na Escócia, onde membros da família real correram para seu lado depois que sua saúde piorou.

Um elo com a geração quase desaparecida que lutou na Segunda Guerra Mundial, ela foi a única monarca que a maioria dos britânicos já conheceu. O seu filho de 73 anos, o príncipe Carlos tornou-se automaticamente rei e será conhecido como rei Charles III, foi anunciado. Os monarcas britânicos no passado selecionaram novos nomes ao assumir o trono.

A BBC tocou o hino nacional, “God Save the Queen”, sobre um retrato de Elizabeth em trajes completos quando a sua morte foi anunciada, e a bandeira sobre o Palácio de Buckingham foi baixada a meio mastro quando a segunda era elisabetana chegou ao fim.

RAINHA ELIZABETH II

O impacto de sua perda será enorme e imprevisível, tanto para a nação quanto para a monarquia, instituição que ela ajudou a estabilizar e modernizar ao longo de décadas de enormes mudanças sociais e escândalos familiares, mas cuja relevância no século 21 tem sido frequentemente questionada . A afeição permanente do público pela rainha ajudou a sustentar o apoio à monarquia durante os escândalos. Charles não é nem de longe tão popular.

Num comunicado, Charles chamou a morte de sua mãe de “um momento de maior tristeza para mim e todos os membros da minha família”, acrescentando: “Sei que sua perda será profundamente sentida em todo o país, nos Reinos e na Commonwealth, e por incontáveis pessoas ao redor do mundo.”

A troca da guarda ocorre num momento difícil para o Reino Unido, que tem um novo primeiro-ministro e está enfrentando uma crise de energia, inflação de dois dígitos, a guerra na Ucrânia e as consequências do Brexit. A primeira-ministra Liz Truss, nomeada pela rainha apenas 48 horas antes, declarou o país “devastado” e chamou Elizabeth de “a rocha sobre a qual a Grã-Bretanha moderna foi construída”.

Razão

Miniatura do vídeo do Youtube

Os súditos britânicos do lado de fora do Palácio de Buckingham choraram quando as autoridades levaram um aviso confirmando a morte da rainha para os portões de ferro forjado da casa da rainha em Londres. Centenas logo se reuniram na chuva, e os enlutados colocaram dezenas de buquês coloridos nos portões. “Como jovem, este é um grande momento”, disse Romy McCarthy, 20. “Marca o fim de uma era, principalmente como mulher. Tínhamos uma mulher que estava no poder como alguém para admirar.”

No Canadá, onde a monarca britânica é a chefe de Estado do país, os olhos do primeiro-ministro Justin Trudeau ficaram vermelhos de emoção ao saudar sua “sabedoria, compaixão e calor”. Na Índia, outrora a “jóia da coroa” do império britânico, o primeiro-ministro Narendra Modi twittou: “Ela personificava a dignidade e a decência na vida pública. Dolorido por sua morte.”

O presidente dos EUA, Joe Biden, a chamou de “estadista de dignidade e constância incomparáveis ​​que aprofundou a aliança fundamental entre o Reino Unido e os Estados Unidos”.

Desde 6 de fevereiro de 1952, Elizabeth reinou sobre uma Grã-Bretanha que se reconstruiu de uma guerra destrutiva e financeiramente exaustiva e perdeu o seu império; aderiu à União Europeia e depois a deixou; e fez a dolorosa transição para o século 21.

Trabalhou com 15 primeiros-ministros, de Winston Churchill a Truss, tornando-se uma instituição e um ícone – uma presença tranquilizadora mesmo para aqueles que ignoravam ou detestavam a monarquia. Ela se tornou menos visível nos seus últimos anos, pois a idade e a fragilidade reduziram muitas aparições públicas. Mas ela permaneceu firmemente no controlo da monarquia e no centro da vida nacional enquanto a Grã-Bretanha celebrou o seu Jubileu de Platina com dias de festas e concursos em junho.

Nesse mesmo mês, ela se tornou a segunda monarca com o reinado mais longo da história, atrás do rei francês Luís XIV, do século 17, que assumiu o trono aos 4 anos. Na terça-feira, ela presidiu a uma cerimónia no Castelo de Balmoral para aceitar a renúncia de Boris Johnson como primeiro-ministro e nomear Truss como seu sucessor.

Quando Elizabeth tinha 21 anos, quase cinco anos antes de se tornar rainha, ela prometeu ao povo da Grã-Bretanha e da Commonwealth que “toda a minha vida, seja longa ou curta, será dedicada ao seu serviço”. Foi uma promessa que ela manteve por mais de sete décadas.

Apesar dos laços complexos e muitas vezes tensos da Grã-Bretanha com suas ex-colónias, Elizabeth era amplamente respeitada e permaneceu chefe de Estado de mais de uma dúzia de países, do Canadá a Tuvalu. Ela liderou a Commonwealth de 54 nações, construída em torno da Grã-Bretanha e suas ex-colónias.

Casada há mais de 73 anos com o príncipe Philip, que morreu em 2021 aos 99 anos, Elizabeth era matriarca de uma família real cujos problemas eram objeto de fascínio global – amplificado por relatos fictícios como a série de TV “The Crown”. Ela deixa quatro filhos, oito netos e 12 bisnetos.

Através de inúmeros eventos públicos, ela provavelmente conheceu mais pessoas do que qualquer outra pessoa na história. A sua imagem, que adornava selos, moedas e cédulas, estava entre as mais reproduzidas no mundo. Mas a sua vida interior e opiniões permaneceram principalmente um enigma. De sua personalidade, o público viu relativamente pouco. Dona de cavalos, ela raramente parecia mais feliz do que durante a semana de corridas do Royal Ascot. Ela nunca se cansou da companhia de seus amados cães Welsh corgi.

Elizabeth Alexandra Mary Windsor nasceu em Londres em 21 de abril de 1926, a primeira filha do duque e da duquesa de York. Ela não nasceu para ser rainha – o irmão mais velho de seu pai, o príncipe Edward, estava destinado à coroa, a ser seguido por quaisquer filhos que ele tivesse.

Mas em 1936, quando ela tinha 10 anos, Edward VIII abdicou para se casar com a americana Wallis Simpson, duas vezes divorciada, e o pai de Elizabeth se tornou o rei George VI.

A princesa Margaret lembrou-se de perguntar à irmã se isso significava que Elizabeth um dia seria rainha. “Sim, suponho que sim”, disse Margaret citando Elizabeth. “Ela não mencionou isso de novo.”

Elizabeth mal estava na adolescência quando a Grã-Bretanha entrou em guerra com a Alemanha em 1939. Enquanto o rei e a rainha ficaram no Palácio de Buckingham durante a Blitz e visitaram os bairros bombardeados de Londres, Elizabeth e Margaret passaram a maior parte da guerra no Castelo de Windsor, oeste da capital. Mesmo lá, 300 bombas caíram num parque adjacente, e as princesas passaram muitas noites num abrigo subterrâneo.

Ela fez a sua primeira transmissão pública em 1940, quando tinha 14 anos, enviando uma mensagem de guerra para crianças evacuadas para o campo ou para o exterior. “Nós, crianças em casa, estamos cheias de alegria e coragem”, disse ela com uma mistura de estoicismo e esperança que ecoaria por todo o seu reinado. “Estamos tentando fazer tudo o que podemos para ajudar bravos soldados, marinheiros e aviadores. E também estamos tentando arcar com nossa parte do perigo e da tristeza da guerra. Sabemos, cada um de nós, que no final tudo ficará bem.”

Em 1945, após meses de campanha pela permissão de seus pais para fazer algo pelo esforço de guerra, o herdeiro do trono tornou-se a segunda subalterna Elizabeth Alexandra Mary Windsor no Serviço Territorial Auxiliar. Ela aprendeu entusiasticamente a dirigir e fazer a manutenção de veículos pesados.

Na noite em que a guerra terminou na Europa, em 8 de maio de 1945, ela e Margaret conseguiram se misturar, sem serem reconhecidas, com multidões celebrando em Londres – “levadas por uma onda de felicidade e alívio”, como ela disse à BBC décadas depois, descrevendo como “uma das noites mais memoráveis ​​da minha vida”.

Na Abadia de Westminster, em novembro de 1947, ela se casou com o oficial da Marinha Real Philip Mountbatten, um príncipe da Grécia e Dinamarca que ela conheceu em 1939, quando ela tinha 13 anos e ele 18. nenhum feriado foi declarado. Mas a noiva recebeu 100 cupons extras de ração para seu enxoval.

O casal viveu por um tempo em Malta, onde Philip estava estacionado, e Elizabeth teve uma vida quase normal como esposa da marinha. O primeiro de seus quatro filhos, o príncipe Charles, nasceu em 1948. Ele foi seguido pela princesa Anne em 1950, príncipe Andrew em 1960 e príncipe Edward em 1964.

Em 1952, George VI morreu aos 56 anos após anos de problemas de saúde. Elizabeth, em uma visita ao Quênia, foi informada de que agora era rainha. O seu secretário particular, Martin Charteris, mais tarde lembrou-se de encontrar a nova monarca em sua mesa, “sentada ereta, sem lágrimas, um pouco corada, aceitando plenamente seu destino.

“De certa forma, eu não tive uma aprendizagem”, refletiu Elizabeth num documentário da BBC em 1992 que abriu uma visão rara de suas emoções. “Meu pai morreu muito jovem, então foi um tipo muito repentino de assumir e fazer o melhor trabalho que você pode.”

A sua coroação ocorreu mais de um ano depois, um grande espetáculo na Abadia de Westminster visto por milhões através do ainda novo meio de televisão. A primeira reação do primeiro-ministro Winston Churchill à morte do rei foi reclamar que a nova rainha era “apenas uma criança”, mas ele foi conquistado em poucos dias e acabou se tornando um fervoroso admirador.

Na monarquia constitucional britânica, a rainha é chefe de Estado, mas tem pouco poder direto; nas suas ações oficiais ela faz o que o governo manda. No entanto, ela não estava sem influência. A rainha, oficialmente chefe da Igreja da Inglaterra, comentou uma vez que não havia nada que ela pudesse fazer legalmente para impedir a nomeação de um bispo, “mas sempre posso dizer que gostaria de mais informações. Isso é uma indicação de que o primeiro-ministro não vai errar”.

A extensão da influência política do monarca ocasionalmente provocou especulações – mas não muitas críticas enquanto Elizabeth estava viva. As opiniões de Charles, que expressou opiniões fortes sobre tudo, da arquitetura ao meio ambiente, podem ser mais controversas.

Ela era obrigada a se reunir semanalmente com o primeiro-ministro, e eles geralmente a achavam bem informada, curiosa e atualizada. A única exceção possível era Margaret Thatcher, com quem se dizia que suas relações eram frias, embora nenhuma das mulheres jamais comentasse.

As opiniões da rainha nessas reuniões privadas tornaram-se objeto de intensa especulação e terreno fértil para dramaturgos como Peter Morgan, autor da peça “The Audience” e da série de TV “The Crown”. Esses relatos semi-ficcionalizados foram o produto de uma era de deferência em declínio e celebridade em ascensão, quando os problemas da família real se tornaram propriedade pública. E havia muitos problemas dentro da família, uma instituição conhecida como “A Firma”. Nos primeiros anos de Elizabeth no trono, a princesa Margaret provocou uma controvérsia nacional por meio de seu romance com um homem divorciado.

No que a rainha chamou de “annus horribilis” de 1992, sua filha, a princesa Anne, se divorciou, o príncipe Charles e a princesa Diana se separaram, assim como seu filho, o príncipe Andrew e sua esposa, Sarah. Esse também foi o ano em que o Castelo de Windsor, uma residência que ela preferia ao Palácio de Buckingham, foi seriamente danificado pelo fogo.

A separação pública de Charles e Diana – “Havia três de nós naquele casamento”, disse Diana sobre o relacionamento de seu marido com Camilla Parker Bowles – foi seguido pelo choque da morte de Diana em um acidente de carro em Paris em 1997. Pela primeira vez , a rainha parecia fora de sintonia com seu povo. No meio de um luto público sem precedentes, o fracasso de Elizabeth em fazer uma demonstração pública de luto pareceu a muitos insensível. Depois de vários dias, ela finalmente fez um discurso televisionado para a nação. A queda em sua popularidade foi breve. Ela era agora uma espécie de avó nacional, com um olhar severo e um sorriso cintilante.

Apesar de ser uma das pessoas mais ricas do mundo, Elizabeth tinha uma reputação de frugalidade e bom senso. Ela apagou as luzes em quartos vazios e não vacilou ao estrangular faisões. Um repórter de jornal que se disfarçou para trabalhar como lacaio do palácio reforçou essa imagem realista, capturando fotos da Tupperware real na mesa do café da manhã e um pato de borracha no banho.

O seu sangue-frio não foi amassado quando um jovem apontou uma pistola para ela e disparou seis tiros de festim enquanto ela passava a cavalo em 1981, nem quando ela descobriu um intruso perturbado sentado na sua cama no Palácio de Buckingham em 1982. A imagem da rainha como um exemplo de decência britânica comum foi satirizada pela revista Private Eye, que a chamou de Brenda, aparentemente porque soava da classe trabalhadora. Antimonarquistas a apelidaram de “Sra. Windsor.” Mas a causa republicana ganhou força limitada enquanto a rainha estava viva.

No seu Jubileu de Ouro em 2002, ela disse que o país poderia “olhar para trás com orgulho medindo a história dos últimos 50 anos”. “Foram 50 anos notáveis ​​em qualquer padrão”, disse ela no discurso. “Houve altos e baixos, mas quem consegue se lembrar de como eram as coisas depois desses seis longos anos de guerra aprecia as imensas mudanças alcançadas desde então.”

Uma presença tranquilizadora em casa, ela também era um emblema da Grã-Bretanha no exterior – uma forma de soft power, consistentemente respeitada quaisquer que fossem os caprichos dos líderes políticos do país no cenário mundial. Parecia apropriado que ela participasse da abertura dos Jogos Olímpicos de Londres de 2012 ao lado de outro ícone, James Bond. Através de alguma magia do cinema, ela apareceu de paraquedas no Estádio Olímpico.

Em 2015, ela ultrapassou o reinado de 63 anos, sete meses e dois dias de sua tataravó, a rainha Vitória, para se tornar a monarca mais antiga da história britânica. Ela continuou trabalhando em sua 10ª década, embora o príncipe Charles e seu filho mais velho, o príncipe William, assumissem cada vez mais as visitas, inaugurações e investiduras que formam a maior parte dos deveres reais.

A perda de Philip em 2021 foi um duro golpe, pois ela se sentou dolorosamente sozinha no seu funeral na capela do Castelo de Windsor por causa das restrições do coronavírus.

E os problemas familiares continuaram. Seu filho, o príncipe Andrew, estava envolvido na história sórdida do empresário criminoso sexual Jeffrey Epstein, um empresário americano que tinha sido um amigo. Andrew negou as acusações de que ele fez sexo com uma das mulheres que disseram que ela foi traficada por Epstein.

O neto da rainha, o príncipe Harry, se afastou da Grã-Bretanha e de seus deveres reais depois de se casar com a atriz de TV americana Meghan Markle, que é birracial, em 2018. 

Ela gozou de uma saúde robusta até os 90 anos, embora tenha usado uma bengala numa aparição após a morte de Philip. Meses atrás, ela disse aos convidados numa recepção “como você pode ver, não me posso mexer”. O palácio, de boca fechada sobre detalhes, disse que a rainha estava enfrentando “problemas de mobilidade episódicos”.

Ela realizou reuniões virtuais com diplomatas e políticos do Castelo de Windsor, mas as aparições públicas se tornaram mais raras. Enquanto isso, ela tomou medidas para se preparar para a transição que estava por vir. Em fevereiro, a rainha anunciou que queria que Camilla fosse conhecida como “Rainha Consorte” quando “na plenitude dos tempos” seu filho se tornasse rei. Ele removeu um ponto de interrogação sobre o papel da mulher que alguns culparam pelo rompimento do casamento de Charles com a princesa Diana na década de 1990.

Maio trouxe outro momento simbólico, quando pediu a Charles que a substituísse e lesse o discurso da rainha na abertura estadual do parlamento, um dos deveres constitucionais mais centrais da monarca. Sete décadas após a Segunda Guerra Mundial, Elizabeth estava novamente no centro do clima nacional em meio à incerteza e à perda do COVID 19 – uma doença que ela mesma enfrentou em fevereiro.

Em abril de 2020 – com o país em confinamento e o primeiro-ministro Boris Johnson hospitalizado com o vírus – ela fez um raro discurso em vídeo, pedindo às pessoas que se unissem. Ela convocou o espírito da Segunda Guerra Mundial, aquele momento vital em sua vida, e da nação, ecoando o hino de guerra de Vera Lynn “We’ll Meet Again”. “Devemos nos consolar de que, embora ainda tenhamos mais para suportar, dias melhores retornarão. Estaremos com nossos amigos novamente. Estaremos com nossas famílias novamente. Vamos nos encontrar novamente”, disse ela.

_________________________________________________________________________________________________

Logo

Nascemos porque acreditamos que a Regionalização é uma prioridade política nacional capaz de criar novos dinamismos sociais e económicos para construir uma sociedade mais justa e próspera.

Politicamente inconvenientes precisamos que seja nosso aliado na defesa da região Norte para enfrentarmos os desafios de sempre. Sem medo, com a independência que nos é oferecida pelos nossos leitores de quem dependemos ao produzir diariamente os conteúdos noticiosos que editamos.

Esteja connosco nesta luta comum. ASSINE AQUI. Obrigado