Acerca das desigualdades, a propósito da cimeira de Davos, na Suíça, pois claro!

Na reunião do Fórum Económico Mundial em Davos Suíça a OXFAM(Uma confederação de 19 organizações, que atua em mais de 90 países na busca de soluções para o problema da pobreza, desigualdade e da injustiça, por meio de campanhas, programas de desenvolvimento e ações emergenciais) apresentou um diagnóstico do sistema político económico vigente e concluiu que as fortunas dos bilionários cresceram mais nos últimos 24 meses do que os últimos 23 anos.

E foi nos sectores de energia, da alimentação e da distribuição em que os preços estão aumentar exponencialmente (como os leitores têm percebido claramente) que as fortunas estão a acumular se a um ritmo vertiginoso, agravando,  assim, as enormes dificuldades de subsistência das classes mais baixas.
A OXFAM e outras organizações insuspeitas de quererem mal ao capitalismo vigente, como o bem conhecido FMI (Fundo Monetário Internacional), propôs um imposto temporário sobre os lucros,  extraordinários e imprevistos, obtidos pelas empresas do setor de energia –  dos combustíveis à eletricidade – e certo é que a Hungria, o Reino  Unido e a Itália, entre outros países, já adoptaram medidas fiscais neste sentido.
No entanto, em Portugal, o governo de António Costa não quer “ hostilizar” as grandes empresas, pelo que se tem vindo a abster de tomar medidas de idêntico teor.

A inflação nos países da zona do euro foi em maio em média de 8,1%, frente aos 7,4% de abril, impulsionada essencialmente pelos preços da energia e dos alimentos, em especial como consequência do conflito bélico entre a Rússia e Ucrânia.

Quase 7,5 milhões de adultos da União Europeia (cerca de 17%) já padecem de “insegurança alimentar grave” – reduzem quantidades, pulam refeições, passam fome -, segundo o relatório da FAO, a agência da ONU para Alimentação e a Agricultura.

O grande problema nutricional afeta um em cada quatro adultos da União Europeia (24,8%).

A anemia ou falta de ferro, uma das suas consequências, afeta 14,6 milhões de mulheres em idade reprodutiva na União Europeia

E como será aqui neste torrão à beira – mar plantado, por agora gerido por governantes que não querem hostilizar umas centenas de magnatas, mas que, se não despertam da sonolência europeia, ainda acabam a ser vaiados nas ruas pelas populações enfurecidas pela miséria e pela fome?

Por Álvaro Neto, jornalista, director da Gazeta de Paços de Ferreira

_______________________________________________

Logo

Nascemos porque acreditamos que a Regionalização é uma prioridade política nacional capaz de criar novos dinamismos sociais e económicos para construir uma sociedade mais justa e próspera.

Politicamente inconvenientes precisamos que seja nosso aliado na defesa da região Norte para enfrentarmos os desafios de sempre. Sem medo, com a independência que nos é oferecida pelos nossos leitores de quem dependemos ao produzir diariamente os conteúdos noticiosos que editamos.

Esteja connosco nesta luta comum. ASSINE AQUI. Obrigado

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com