Ucrânia com armas ocidentais e sem gás russo

A Rússia cortou o gás natural para os membros da NATO Polónia e Bulgária na quarta-feira e ameaçou fazer o mesmo com outros países, aumentando dramaticamente seu impasse com o Ocidente sobre a guerra na Ucrânia.  Líderes europeus classificaram a medida como “chantagem”.

Um dia depois que os EUA e outros aliados ocidentais prometeram enviar mais e mais armas pesadas para a Ucrânia, o Kremlin usou a sua exportação mais essencial como alavanca contra dois dos firmes apoiadores de Kiev. Os preços do gás na Europa dispararam com as notícias.

A tática pode eventualmente forçar as nações visadas a racionar o gás e dar outro golpe nas economias que sofrem com o aumento dos preços. Ao mesmo tempo, poderia privar a Rússia da renda necessária para financiar seu esforço de guerra.

Líderes e analistas ocidentais retrataram a medida do Kremlin como uma tentativa de dividir os aliados e minar seu apoio unificado à Ucrânia.                              .

A Polónia tem sido uma importante porta de entrada para a entrega de armas à Ucrânia e confirmou esta semana que está enviando tanques para o país. Também tem sido um proponente vocal de sanções contra o Kremlin.

A Bulgária, sob um novo governo liberal que tomou posse no outono passado, cortou muitos de seus laços estreitos com Moscovo e também apoiou medidas punitivas contra a Rússia por sua invasão. Também recebeu caças ocidentais num novo posto avançado da NATO na costa do Mar Negro da Bulgária.

Os cortes de gás não colocam imediatamente os dois países em apuros. A Polónia, especialmente, vem trabalhando há muitos anos para alinhar outras fontes de energia, e o continente está entrando no verão, tornando o gás menos essencial para as famílias.

No entanto, o corte e o aviso do Kremlin de que outros países podem ser os próximos causaram arrepios de preocupação na União Europeia de 27 países. A Alemanha, a maior economia do continente, e a Itália estão entre os maiores consumidores de gás natural russo da Europa, embora já estejam tomando medidas para reduzir sua dependência de Moscovo.

“Não é surpresa que o Kremlin use combustíveis fósseis para tentar nos chantagear”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. “Hoje, o Kremlin falhou mais uma vez na sua tentativa de semear a divisão entre os estados membros. A era do combustível fóssil russo na Europa está chegando ao fim”.

A gigante russa estatal Gazprom referiu ter cortado o gás aos dois países porque eles se recusaram a pagar em rublos russos, como o presidente Vladimir Putin exigiu dos países “hostis”. O Kremlin disse que outros países também podem ser cortados, se não mudarem para rublos.

O primeiro-ministro polaco Mateusz Morawiecki disse ao parlamento do seu país que acredita que o apoio da Polónia à Ucrânia e as sanções contra a Rússia foram as verdadeiras razões por trás do corte de gás.

O primeiro-ministro búlgaro Kiril Petkov chamou a suspensão de chantagem, acrescentando: “Não vamos sucumbir a tal ataque”. Fatih Birol, diretor executivo da Agência Internacional de Energia com sede em Paris, disse que o corte foi uma “armaização do fornecimento de energia”.

No campo de batalha, os combates continuaram no leste do país ao longo de uma linha de frente em grande parte estática, com cerca de 480 quilómetros de extensão. A Rússia alegou que seus mísseis atingiram um lote de armas que os EUA e os países europeus entregaram à Ucrânia. Autoridades ocidentais, falando sob condição de anonimato para discutir questões de inteligência, disseram que a Rússia fez progressos lentos no Donbass, com “ganhos menores”, incluindo a captura de vilarejos e pequenas cidades ao sul de Izyum e nos arredores de Rubizhne.

A ofensiva continua a sofrer com o mau comando, perdas de tropas e equipamentos, mau tempo e forte resistência ucraniana, disseram as autoridades.

As autoridades disseram que algumas tropas russas foram redistribuídas da cidade portuária de Mariupol, no sul, para outras partes do Donbass. Mas alguns permanecem em Mariupol para combater as forças ucranianas entrincheiradas na siderúrgica Azovstal, o último reduto da cidade. Cerca de 1.000 civis estariam abrigados lá com cerca de 2.000 defensores ucranianos.

Do outro lado da fronteira na Rússia, um depósito de munição na região de Belgorod estava em chamas na quarta-feira depois que várias explosões foram ouvidas, disse o governador.

Explosões também foram relatadas na região russa de Kursk, perto da fronteira com a Ucrânia, e autoridades da região russa de Voronezh disseram que um sistema de defesa aérea derrubou um drone. No início desta semana, uma instalação de armazenamento de petróleo na cidade russa de Bryansk foi engolida pelo fogo.

O conselheiro presidencial ucraniano, Mykhailo Podolyak, insinuou o envolvimento do país nos incêndios, dizendo num post do Telegram que “o carma (é) uma coisa dura”.

Outros desenvolvimentos:

— O chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Grossi, disse que o nível de segurança na maior usina nuclear da Europa, agora sob ocupação russa na Ucrânia, é como uma “luz vermelha piscando” enquanto sua organização tenta em vão obter acesso para reparos.

— No momento em que as tensões aumentavam, Moscou e Washington realizaram uma dramática troca de prisioneiros, trocando um veterano da Marinha preso em Moscou por um traficante de drogas russo condenado cumprindo uma longa sentença de prisão nos EUA

Com a ajuda de armas ocidentais, as forças ucranianas foram inesperadamente bem-sucedidas em atolar as forças russas e evitaram a tomada de Kiev.  Moscovo agora diz que o seu foco é a captura do Donbass, a região industrial de maior expressão russa no leste da Ucrânia.

Um colaborador de  Putin prometeu na quarta-feira que a Rússia alcançará os seus objetivos militares, dizendo ao parlamento: “Todas as tarefas da operação militar especial que estamos realizando no Donbass e na Ucrânia, lançada em 24 de fevereiro, serão cumpridas incondicionalmente”.

Simone Tagliapietra, pesquisadora sénior do think tank Bruegel em Bruxelas, disse que o objetivo da Rússia em cortar o fluxo de gás é “dividir para governar” – colocar os países europeus uns contra os outros enquanto buscam energia.

A Polónia obtém cerca de 45% de seu gás da Rússia, mas é muito mais dependente do carvão e disse estar bem preparada para o corte. Possui amplo gás natural armazenado e em breve se beneficiará de dois oleodutos que entrarão em operação, disse a analista Emily McClain, da Rystad Energy.

Enquanto a Bulgária obtém mais de 90% de seu gás da Rússia, pode aumentar as importações do Azerbaijão, e uma conexão de gasoduto para a Grécia deve ser concluída ainda este ano.

A Europa não está sem sua própria influência, pois, a preços atuais, está pagando cerca de US$ 400 milhões por dia à Rússia pelo gás, dinheiro que Putin perderia em caso de corte completo.

A Rússia pode, em teoria, vender petróleo em outros lugares – na Índia e na China, por exemplo. Mas a rede de oleodutos dos enormes depósitos na Península de Yamal no noroeste da Sibéria até à Europa não se conecta com os oleodutos que vão para a China. E a Rússia tem capacidade limitada para exportar gás liquefeito por navio.

Logo

Nascemos porque acreditamos que a Regionalização é uma prioridade política nacional capaz de criar novos dinamismos sociais e económicos para construir uma sociedade mais justa e próspera.

Politicamente inconvenientes precisamos que seja nosso aliado na defesa da região Norte para enfrentarmos os desafios de sempre. Sem medo, com a independência que nos é oferecida pelos nossos leitores de quem dependemos ao produzir diariamente os conteúdos noticiosos que editamos.

Esteja connosco nesta luta comum. ASSINE AQUI. Obrigado

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com