Índia – 75 anos de triunfos e tragédias num país agora livre e independente

ÍNDIA   “Ao bater da meia-noite”, disse o primeiro primeiro-ministro da Índia, Jawaharlal Nehru, “quando o mundo dormir, a Índia acordará para a vida e a liberdade”. O discurso histórico pouco antes da meia-noite de 15 de agosto de 1947 transformou as esperanças de milhões em realidade. A Índia era um país livre e independente. Sua história colonial britânica estava no passado. Um novo futuro acenava.Setenta e cinco anos depois, a Índia é um país muito mudado. Sua história é contada através de suas pulsações de tumulto, obstáculos assustadores, triunfos espirituosos e tragédias terríveis. Esta é a história da Índia.

1947-1971 –

Antes de deixar o subcontinente indiano, os colonialistas britânicos traçaram uma linha imaginária que levou à criação da Índia e do Paquistão, processo que desencadeou migração em massa e revoltas religiosas. Centenas de milhares morreram na violência. Cerca de 12 milhões de pessoas fugiram de suas casas. Nesse mesmo ano, a Índia e o Paquistão travaram a sua primeira guerra pela disputada Caxemira, levando a região a ser dividida entre os países rivais. As feridas da partição ainda estavam frescas quando o líder da independência Mahatma Gandhi foi assassinado em 1948.

ARQUIVO - O corpo do líder indiano assassinado Mahatma Gandhi, coberto com pétalas de rosa, é levado para o local de sua cremação em Nova Delhi, 31 de janeiro de 1948. (AP Photo/Max Desfor, Arquivo)

O corpo do líder indiano assassinado Mahatma Gandhi, coberto com pétalas de rosa, é levado para o local de sua cremação em Nova Delhi, 31 de janeiro de 1948. (AP Photo/Max Desfor, Arquivo)

A Índia emergiu rapidamente do tumulto e em 1951 deu um salto democrático ao realizar as suas primeiras eleições gerais. Mas logo a Índia enfrentou uma crise nas suas fronteiras. Em 1959, o Dalai Lama fugiu para a Índia após um protesto tibetano fracassado. Três anos depois, em 1962, a Índia e a China estavam em guerra. Em 1971, a Índia travou outra guerra com o Paquistão, desta vez pelo envolvimento de Nova Délhi na independência de Bangladesh (antigo Paquistão Oriental) sob o comando da primeira-ministra Indira Gandhi.

ARQUIVO - A primeira-ministra indiana Indira Gandhi, à direita, e o presidente do Paquistão, Zulfikar Ali Bhutto, apertam as mãos após assinatura e acordo na Mansão do Governador, em Simla, na Índia, em 28 de junho de 1972. Após vários dias de negociações, o acordo prevê a retirada de forças de suas fronteiras e renúncia ao uso da força. (Foto/Arquivo AP)A primeira-ministra indiana Indira Gandhi, à direita, e o presidente do Paquistão, Zulfikar Ali Bhutto, apertam as mãos após assinatura e acordo na Mansão do Governador, em Simla, Índia, em 28 de junho de 1972. Após vários dias de conversas, o acordo prevê a retirada das forças de suas fronteiras e renúncia ao uso da força. (Foto/Arquivo AP)

ARQUIVO - Eleitores recebem cédulas de funcionários das assembleias de voto para a primeira eleição geral da Índia em uma vila rural do estado de Delhi na Índia por volta de 14 de dezembro de 1951. (AP Photo/File)Eleitores recebem cédulas de funcionários das assembleias de voto para a primeira eleição geral da Índia numa vila rural do estado de Delhi na Índia por volta de 14 de dezembro de 1951. (AP Photo/File)

ARQUIVO - O primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru, à esquerda, visita o Dalai Lama, chefe espiritual e temporal do Tibete, na Birla House, na estação montanhosa de Mussoorie, Índia, em 24 de abril de 1959. O Dalai Lama fugiu do Tibete controlado pelos chineses comunistas e está vivendo no exílio em Birla House. (Foto/Arquivo AP)O primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru, à esquerda, visita o Dalai Lama, chefe espiritual e temporal do Tibete, na Birla House, na estação montanhosa de Mussoorie, Índia, em 24 de abril de 1959. O Dalai Lama fugiu do Tibete controlado pelos chineses comunistas e exilado na Casa Birla. (Foto/Arquivo AP)

ARQUIVO - Dois tibetanos carregam longos troncos de madeira ao longo de uma estrada de montanha na área da fronteira nordeste enquanto ajudam os indianos na luta contra os invasores chineses vermelhos, 15 de novembro de 1962. Os tibetanos, refugiados da frente de combate, se estabeleceram no área depois de serem expulsos de casa. (Foto AP/Dennis Lee Royle, Arquivo)Dois tibetanos carregam longos troncos de madeira ao longo de uma estrada de montanha na área da fronteira nordeste enquanto ajudam os índios na luta contra os invasores chineses vermelhos, 15 de novembro de 1962. (Foto AP/Dennis Lee Royle, Arquivo)

ARQUIVO - Combatentes armados do Paquistão Oriental dirigem-se para a frente de batalha de pedicab, em Jessore, Paquistão Oriental, em 2 de abril de 1971. A cidade, perto da fronteira com a Índia, foi palco de combates ferozes entre os seguidores do Paquistão Oriental do líder nacionalista bengali Sheikh Mujibur Rahman e forças do Exército do Paquistão. (Foto/Arquivo AP)Combatentes armados do Paquistão Oriental dirigem-se para a frente de batalha de pedicab, em Jessore, Paquistão Oriental, em 2 de abril de 1971. A cidade, perto da fronteira com a Índia, foi palco de combates ferozes entre os seguidores do Paquistão Oriental do líder nacionalista bengali Sheikh Mujibur Rahman e Forças do Exército do Paquistão. (Foto/Arquivo AP)

___

1971-1999

A democracia da Índia passou por um grande teste em 1975, quando Gandhi declarou uma emergência formal. Durou quase dois anos e culminou com a sua demissão do cargo. Uma vitória de 1983 no Campeonato do Mundo de Críquete realizou um milhão de sonhos, mas um ano depois a Índia foi abalada por dois eventos cataclísmicos. Gandhi, que havia retornado ao poder nas eleições de 1980, ordenou um cerco do exército ao Templo Dourado em Punjab em 1984 para esmagar o extremismo sikh. Nesse mesmo ano, ela foi assassinada pelos seus guarda-costas sikhs, levando a grandes revoltas anti-sikh. O progresso dramático veio com reformas históricas na década de 1990 que estimularam o crescimento. Mas coincidiu com uma grande revolta, incluindo uma insurgência armada na disputada Caxemira.

ARQUIVO - Jovens muçulmanos separatistas saem às ruas com armas, desafiando o toque de recolher do exército e exigindo a independência na Caxemira, segunda-feira, 23 de janeiro de 1990. A Caxemira é dividida entre Índia e Paquistão e reivindicada por ambos em sua totalidade. A fúria da região com o domínio indiano está fervendo há muito tempo e a maioria dos muçulmanos da Caxemira apoia o objetivo rebelde de unir o território, seja sob o domínio paquistanês ou como um país independente. Uma rebelião armada contra o domínio indiano começou em 1990. (Foto AP/Ajit Kumar, Arquivo)Jovens separatistas muçulmanos saem às ruas com armas, desafiando o toque de recolher do exército e exigindo independência na Caxemira, segunda-feira, 23 de janeiro de 1990. (AP Photo/Ajit Kumar, Arquivo)

Em 1991, o ex-primeiro-ministro Rajiv Gandhi foi assassinado por um homem-bomba de etnia tâmil. Em 1992, multidões hindus demoliram uma mesquita histórica na cidade de Ayodhya, provocando tumultos em todo o país. E em 1993, uma série de explosões sacudiu a cidade de Mumbai e matou mais de 250 pessoas. A Índia optou por mostrar o seu poderio militar em 1998, realizando uma série de cinco testes nucleares; O Paquistão seguiu com seus próprios testes. Em 1999, os dois países travaram uma guerra limitada em Kargil.

ARQUIVO - Canhões de artilharia indianos são engolidos pela fumaça em Dras, cerca de 155 quilômetros (96 milhas) ao norte de Srinagar, na Índia, no sábado, 10 de julho de 1999. O conflito com o Paquistão que durou três meses na disputada região da Caxemira havia quase levou os vizinhos nucleares a uma guerra. (Foto AP/Aijaz Rahi, Arquivo)Canhões de artilharia indianos são engolidos pela fumaça em Dras, cerca de 155 quilómetros (96 milhas) ao norte de Srinagar, na Índia, no sábado, 10 de julho de 1999. O conflito com o Paquistão que durou três meses na disputada região da Caxemira quase trouxe o vizinhos nucleares para uma guerra. (Foto AP/Aijaz Rahi, Arquivo)

ARQUIVO - Capitão da equipe indiana de críquete Kapil Dev, segundo da esquerda, abraça o jogador indiano Madan Lal enquanto o resto da equipe indiana comemora no Lord's depois que Gavaskar pegou West Indian, Larry Gomes, para cinco do boliche de Madan Lal durante o Prudential World Final da Copa em Londres, 25 de junho de 1983. A Índia venceu a Copa do Mundo pela primeira vez em 1983. (AP Photo/Peter Kemp, Arquivo)O capitão da equipa indiana de críquete Kapil Dev, segundo da esquerda, abraça o jogador indiano Madan Lal enquanto o resto da equipa indiana comemora no Lord’s depois que Gavaskar pegou West Indian, Larry Gomes, por cinco do boliche de Madan Lal durante a Prudential World Cup Final em Londres, 25 de junho de 1983. A Índia venceu o Campeonato do Mundo pela primeira vez em 1983. (AP Photo/Peter Kemp, Arquivo)

ARQUIVO - Um militante sikh segura binóculos para observar as tropas do governo de seu poleiro no Templo Dourado em Amritsar enquanto o exército indiano move homens para posições perto do complexo do templo, em 5 de junho de 1984. Em 6 de junho de 1984, tropas indianas atacaram expulsar os militantes ocupantes. Cerca de 1.200 pessoas morreram nos combates. A invasão do templo ocorreu após semanas de crescente tensão entre o governo da primeira-ministra Indira Gandhi e os sikhs no estado de Punjab, no norte. Gandhi foi morta em represália por seus guarda-costas sikhs quatro meses depois. (Foto AP/Sondeep Shankar, Arquivo)Um militante sikh segura binóculos para observar as tropas do governo do seu posto no Templo Dourado em Amritsar enquanto o exército indiano move homens para posições próximas ao complexo do templo, 5 de junho de 1984. (AP Photo/Sondeep Shankar, arquivo)

ARQUIVO - Bombeiros usam uma mangueira para molhar telas de lona nos limites da fábrica para evitar a propagação de gases perigosos na fábrica da Union Carbide em Bhopal, Índia, em dezembro de 1984. Em 3 de dezembro de 1984, a fábrica de pesticidas administrada pela Union Carbide vazou cerca de 40 toneladas de gás mortal isocianato de metila no ar, matando cerca de 15.000 pessoas e afetando pelo menos mais 500.000. A Dow Chemical Co., com sede em Michigan, assumiu a Union Carbide em 2001. (AP Photo/Peter Kemp, Arquivo)Bombeiros usam uma mangueira para molhar telas de lona nos limites da fábrica para evitar a propagação de gases perigosos na fábrica da Union Carbide em Bhopal, Índia, dezembro de 1984. (Foto AP/Peter Kemp, Arquivo)

ARQUIVO- Apoiadores do movimento anti-reserva içam um colega no ar durante uma grande manifestação perto da casa do parlamento em Nova Délhi na terça-feira, 2 de outubro de 1990. O plano de ação afirmativa para as castas mais baixas provocou uma série de protestos das castas mais altas estudantes que dizem que isso os privará de oportunidades de emprego. (Foto AP/Ajit Kumar, Arquivo)Apoiantes do movimento anti-reserva levantam um colega no ar durante um grande comício perto da casa do parlamento em Nova Délhi na terça-feira, 2 de outubro de 1990. O plano de ação afirmativa para as castas mais baixas provocou uma série de protestos de estudantes das castas mais altas temendo ser privados de oportunidades de emprego. (Foto AP/Ajit Kumar, Arquivo)

ARQUIVO - A esposa de Rajiv Gandhi, Sonia, centro, e seus dois filhos, Rahul e Priyanka, olham para trás da pira em chamas depois que o corpo do ex-primeiro-ministro indiano foi incendiado durante seu funeral em Nova Delhi, sexta-feira, 24 de maio de 1991 Gandhi foi morto por um homem-bomba do Sri Lanka em um comício eleitoral em Sriperumbudur, no sul da Índia. (Foto AP/Denis Paquin, Arquivo)A esposa de Rajiv Gandhi, Sonia, ao centro, e seus dois filhos, Rahul e Priyanka, olham para trás da pira em chamas depois que o corpo do ex-primeiro-ministro indiano foi queimado durante o seu funeral em Nova Delhi, sexta-feira, 24 de maio de 1991. Gandhi foi morto por um homem-bomba do Sri Lanka num comício eleitoral em Sriperumbudur, no sul da Índia. (Foto AP/Denis Paquin, Arquivo)

ARQUIVO - Fundamentalistas hindus caminham ao longo da parede do perímetro do disputado local de um templo de Ram a ser construído onde a mesquita Babri, atrás das árvores, ainda estava quando esta foto foi tirada em Ayodhya, 6 de dezembro de 1992. Mais tarde, militantes hindus invadiu a mesquita muçulmana de 430 anos e a destruiu. Em 2019, a Suprema Corte da Índia decidiu a favor da construção de um templo hindu no local disputado. Os hindus acreditam que seu deus Ram nasceu lá e dizem que o imperador muçulmano Babur construiu uma mesquita no topo de um templo no local. (Foto AP/Udo Weitz, Arquivo)Fundamentalistas hindus caminham ao longo da parede do perímetro do disputado local de um templo de Ram a ser construído onde a mesquita Babri, atrás das árvores, ainda estava quando esta foto foi tirada em Ayodhya, 6 de dezembro de 1992. Mais tarde, militantes hindus invadiram o mesquita muçulmana de 430 anos e destruiram-na (Foto AP/Udo Weitz, Arquivo)

ARQUIVO - Os restos de um ônibus de transporte são vistos ao lado de veículos em chamas e prédios danificados do lado de fora do Escritório de Passaportes de Bombaim após uma explosão maciça, em 12 de março de 1993. Doze bombas explodiram em menos de 20 minutos em vários locais, matando centenas na capital financeira da Índia. De acordo com a Polícia de Bombaim, o principal culpado Dawood Ibrahim, que planejou os ataques, ainda está foragido e vive como um "homem livre" em Karachi, Paquistão. (Foto AP/Sherwin Crasto, Arquivo)Os restos esqueléticos de um autocarro de transporte são vistos ao lado de veículos em chamas e prédios danificados do lado de fora do Escritório de Passaportes de Bombaim após uma grande explosão, em 12 de março de 1993. Doze bombas explodiram em menos de 20 minutos em vários locais, matando centenas na capital financeira da Índia. (Foto AP/Sherwin Crasto, Arquivo)

ARQUIVO - O primeiro-ministro indiano Atal Bihari Vajpayee, segunda à esquerda, o ministro da Defesa George Fernandes, ao centro, fundador do programa nuclear indiano APJ Abdul Kalam, à direita, e o chefe de energia atômica R. Chidambaram exibem o símbolo da vitória durante uma visita ao Shakti 1 local de teste, onde a Índia testou dispositivos nucleares uma semana antes, em Pokhran, Índia, 20 de maio de 1998. (AP Photo/Ajit Kumar, Arquivo)O primeiro-ministro indiano Atal Bihari Vajpayee, segunda à esquerda, o ministro da Defesa George Fernandes, ao centro, fundador do programa nuclear indiano APJ Abdul Kalam, à direita, e o chefe de energia atômica R. Chidambaram exibem o símbolo da vitória durante uma visita ao local de teste Shakti 1 , onde a Índia testou dispositivos nucleares uma semana antes, em Pokhran, Índia, 20 de maio de 1998. (AP Photo/Ajit Kumar, Arquivo)

ARQUIVO - O primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif, à esquerda, e seu colega indiano Atal Bihari Vajpayee acenam para a chegada de Vajpayee na fronteira de Wagha, a 28 quilômetros (17 milhas) de Lahore, Paquistão, sábado, 20 de fevereiro de 1999. Vajpayee chegou para conversar com Sharif para pavimentar um caminho para consertar o relacionamento bilateral deteriorado entre as duas nações pela primeira vez desde que os dois países realizaram testes nucleares no ano passado. (Foto AP/BKBangash, Arquivo)O primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif, à esquerda, e seu colega indiano Atal Bihari Vajpayee acenam para a chegada de Vajpayee na fronteira de Wagha, a 28 quilómetros (17 milhas) de Lahore, Paquistão, sábado, 20 de fevereiro de 1999. (AP Photo/BKBangash, Arquivo)

___

2000-presente

O novo milénio começou com uma nota sombria: um grande terremoto no estado de Gujarat matou mais de 20.000 pessoas. Um ano depois, em 2002, o estado explodiu em tumultos antimuçulmanos, levando à morte de pelo menos 1.000 pessoas. Em 2004, um enorme tsunami desencadeado por um grande terramoto submarino no Oceano Índico matou mais de 10.000 indianos. A Índia assinou um acordo nuclear com os EUA em 2008. No mesmo ano, o grupo militante paquistanês Lashkar-e-Taiba realizou uma série de ataques em Mumbai, deixando 166 mortos.

ARQUIVO- Soldado indiano se protege enquanto o hotel Taj Mahal é incendiado durante um tiroteio entre militares indianos e militantes dentro do hotel em Mumbai, Índia, em 29 de novembro de 2008. Os três dias de terror em Mumbai perpetrados pelo paquistanês grupo militante Lashkar-e-Taiba deixou 166 mortos. (Foto AP/David Guttenfelder, Arquivo)Um soldado indiano se protege enquanto o hotel Taj Mahal é incendiado durante um tiroteio entre militares indianos e militantes dentro do hotel em Mumbai, Índia, em 29 de novembro de 2008. Os três dias de terror em Mumbai perpetrados pelo grupo militante paquistanês Lashkar-e-Taiba deixou 166 mortos. (Foto AP/David Guttenfelder, Arquivo)

A década de 2010 marcou uma mudança significativa na política e no discurso público da Índia. Em 2012, o país viu protestos generalizados após o estupro coletivo e o assassinato de uma mulher de 22 anos num autocarro em Nova Délhi. Os protestos levaram a leis mais duras contra o estupro. Dois anos depois, o primeiro-ministro Narendra Modi obteve uma vitória esmagadora nas eleições gerais. Modi repetiu a façanha em 2019, e seu governo desde então tem sido marcado por uma crescente polarização religiosa e decisões contenciosas, como acabar com a semiautonomia da Caxemira. A Índia novamente convulsionou em protestos em todo o país em 2020 e 2021 contra uma lei de cidadania religiosa e reformas agrícolas controversas. Coincidiram com um dos maiores desafios do país:o “tsunami” de casos de coronavírus.

FILE - A man runs to escape heat from multiple funeral pyres of COVID-19 victims at a crematorium on the outskirts of New Delhi, India, Thursday, April 29, 2021. India's excess deaths during the pandemic could be a staggering 10 times the official COVID-19 toll, likely making it modern India's worst human tragedy, according to the most comprehensive research yet on the ravages of the virus in the South Asian country. Most experts believe India's official toll of more than 414,000 dead is a vast undercount, but the government has dismissed those concerns as exaggerated and misleading. (AP Photo/Amit Sharma, File)Um homem corre para escapar do calor de várias piras funerárias de vítimas do COVID-19 num crematório nos arredores de Nova Délhi, Índia, quinta-feira, 29 de abril de 2021. (Foto AP/Amit Sharma, arquivo)

FILE - Razia, a Muslim woman, cries while praying by her destroyed home near Ahmedabad, India, March 2, 2002. Vengeful Hindu mobs torched Muslim homes, killing scores, as rioting spread through western Gujarat state leading to the death of at least 1,000 in one of India's worst religious strife. (AP Photo/Aman Sharma, File)Razia, uma mulher muçulmana, chora enquanto reza na sua casa destruída perto de Ahmedabad, Índia, em 2 de março de 2002. Multidões hindus vingativas incendiaram casas muçulmanas, matando dezenas, enquanto tumultos se espalhavam pelo estado ocidental de Gujarat, levando à morte de pelo menos 1.000 em um do pior conflito religioso da Índia. (Foto AP/Aman Sharma, Arquivo)

FILE - Commuters travel on an overloaded truck outside Calcutta, India, Wednesday, May 10, 2000. India's population officially hit 1 billion a day later on May 11, 2000, an event marked with fanfare and concern over the nation's too-rapid growth. (AP Photo/Bikas Das, File)Os passageiros viajam num camião sobrecarregado fora de Calcutá, Índia, quarta-feira, 10 de maio de 2000. A população da Índia atingiu oficialmente 1 bilhão um dia depois, em 11 de maio de 2000, um evento marcado com alarde e preocupação com o crescimento rápido demais do país. (AP Photo/Bikas Das, Arquivo)

FILE - An aerial view shows the destruction in the town of Anjar, India, some 50 kilometers (30 miles) east of Bhuj, Tuesday, Jan. 30, 2001. The 7.9 magnitude quake in Gujarat state killed more than 20,000 people. (AP Photo/Enric Marti, File)Uma vista aérea mostra a destruição na cidade de Anjar, na Índia, cerca de 50 quilómetros (30 milhas) a leste de Bhuj, terça-feira, 30 de janeiro de 2001. O terramoto de magnitude 7,9 no estado de Gujarat matou mais de 20.000 pessoas. (Foto AP/Enric Marti, Arquivo)

ARQUIVO - Paliyamma lamenta ao retornar para sua casa danificada em uma colônia de pescadores atingida pelo tsunami, em Nagappattinam, no estado de Tamil Nadu, no sul da Índia, em 31 de dezembro de 2004. O enorme tsunami desencadeado por um terremoto submarino no Oceano Índico matou mais de 10.000 índios. Paliyama perdeu sete membros de sua família. (Foto AP/Gurinder Osan, Arquivo)Paliyamma lamenta ao retornar para a sua casa danificada numa colónia de pescadores atingida pelo tsunami, em Nagappattinam, no estado de Tamil Nadu, no sul da Índia, em 31 de dezembro de 2004. O enorme tsunami desencadeado por um grande terramoto submarino no Oceano Índico matou mais de 10.000 índios. Paliyama perdeu sete membros de sua família. (Foto AP/Gurinder Osan, Arquivo)

ARQUIVO - Competidores de várias nações andam em um pacote no passeio em Rajpath em frente ao marco monumento India Gate na corrida de ciclismo de estrada masculina de 168 km durante os Jogos da Commonwealth em Nova Delhi, Índia, domingo, 10 de outubro de 2010. Índia sediou os Jogos pela primeira vez em 2010. (AP Photo/Kevin Frayer, Arquivo)Competidores de várias nações andam em grupo no passeio em Rajpath em frente ao monumento India Gate na corrida de ciclismo de estrada masculina de 168 km durante os Jogos da Commonwealth em Nova Delhi, Índia, domingo, 10 de outubro de 2010. A Índia sediou o Jogos pela primeira vez em 2010. (AP Photo/Kevin Frayer, Arquivo)

ARQUIVO - A mais famosa prisioneira de consciência da Índia, Irom Sharmila, que está em greve de fome desde novembro de 2000 para protestar contra a Lei Especial das Forças Armadas (Poderes), chora ao lado de sua cama no Hospital Jawaharlal Nehru em Imphal, no nordeste do estado indiano de Manipur, 3 de novembro de 2014. A lei dá aos militares amplos poderes para procurar, prender e até atirar em suspeitos com pouco medo de serem processados. Grupos de direitos humanos há muito acusam as forças de segurança de abusar da lei. Sharmila encerrou sua greve de fome de 16 anos em 9 de agosto de 2016. (AP Photo/Anupam Nath, Arquivo)A mais famosa prisioneira de consciência da Índia, Irom Sharmila, que está em greve de fome desde novembro de 2000 para protestar contra a Lei Especial das Forças Armadas (Poderes), chora ao lado de sua cama no Hospital Jawaharlal Nehru em Imphal, no estado de Manipur, nordeste da Índia, 3 de novembro de 2014. A lei dá aos militares amplos poderes para procurar, prender e até atirar em suspeitos com pouco medo de processo. (Foto AP/Anupam Nath, Arquivo)

FILE- Jogadores de críquete indianos comemoram sua vitória com o troféu na partida final da Copa do Mundo de Críquete contra o Sri Lanka em Mumbai, Índia 2 de abril de 2011. A Índia venceu a Copa pela segunda vez, depois de quase três décadas. (Foto AP/Aijaz Rahi, Arquivo)Os jogadores de críquete indianos comemoram a sua vitória com o troféu na partida final da Taça do Mundo de Críquete contra o Sri Lanka em Mumbai, Índia, em 2 de abril de 2011. A Índia venceu a Taça pela segunda vez, depois de quase três décadas. (Foto AP/Aijaz Rahi, Arquivo)

FILE - Bahujan Samaj Party Chief Mayawati, center, is presented with a gold crown by her supporters at a public rally, in Mumbai, India Nov. 25, 2007. In 2007, Indian politics saw a major shift when the country's most prominent Dalit leader, Mayawati, pulled off a surprise election victory in the country's most populous state. Dalits form the lowest rung of India's Hindu caste hierarchy. (AP Photo/Rajesh Nirgude, File)A chefe do partido Bahujan Samaj, Mayawati, ao centro, é presenteada com uma coroa de ouro por seus apoiantes num comício público, em Mumbai, Índia, em 25 de novembro de 2007. Em 2007, a política indiana viu uma grande mudança quando o líder dalit mais proeminente do país, Mayawati , conseguiu uma vitória eleitoral surpresa no estado mais populoso do país. Os dalits formam o degrau mais baixo da hierarquia de castas hindus da Índia. (Foto AP/Rajesh Nirgude, Arquivo)

FILE - Protesters shield themselves as police beat them with sticks during a violent demonstration near the India Gate against a gang rape and brutal beating of a 23-year-old student on a bus last week, in New Delhi, India Dec. 23, 2012. The attack sparked widespread protests across the country, leading to tougher laws against rape. (AP Photo/Kevin Frayer, File)Manifestantes se protegem enquanto a polícia os espanca com paus durante uma manifestação violenta perto do Portão da Índia contra um estupro coletivo e espancamento brutal de um estudante de 23 anos num autocarro na semana passada, em Nova Délhi, Índia, em 23 de dezembro de 2012. O ataque provocou protestos generalizados em todo o país, levando a leis mais duras contra o estupro. (Foto AP/Kevin Frayer, Arquivo)

FILE - Opposition Bharatiya Janata Party (BJP) leader and India's next prime minister Narendra Modi greets the gathering at the home of his 90-year-old mother in Gandhinagar, in the western Indian state of Gujarat, Friday, May 16, 2014. Modi won the most decisive election victory the country has seen in more than a quarter century and swept the long-dominant Congress party from power. (AP Photo/Saurabh Das, File)O líder do Partido Bharatiya Janata (BJP) da oposição e próximo primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, saúda a reunião na casa de sua mãe de 90 anos em Gandhinagar, no estado indiano ocidental de Gujarat, sexta-feira, 16 de maio de 2014. (AP Photo /Saurabh Das, Arquivo)

FILE - A gay rights activist celebrates after the country's top court struck down a colonial-era law that made homosexual acts punishable by up to 10 years in prison, in New Delhi, India Sept. 6, 2018, a landmark victory for gay rights that one judge said would “pave the way for a better future.” (AP Photo/Altaf Qadri, File)Um ativista dos direitos gays comemora depois que o tribunal superior do país derrubou uma lei da era colonial que tornava atos homossexuais puníveis com até 10 anos de prisão, em Nova Délhi, Índia, em 6 de setembro de 2018. (AP Photo/Altaf Qadri, Arquivo)

FILE - An Indian national flag, left, flies next to a Jammu and Kashmir state flag on the Civil Secretariat building, in Srinagar, Indian controlled Kashmir Aug. 9, 2019. On Aug. 5, 2019, Indian Prime Minister Narendra Modi's government passed legislation in Parliament that stripped Jammu and Kashmir's statehood, scrapped its separate constitution and removed inherited protections on land and jobs. While deeply unpopular in Muslim-majority Kashmir, Modi was cheered by supporters for fulfilling a long-held Hindu nationalist pledge to scrap the restive region's special privileges and assimilate Kashmir into the rest of the country. (AP Photo/ Dar Yasin, File)Uma bandeira nacional indiana, à esquerda, voa ao lado de uma bandeira do estado de Jammu e Caxemira no prédio da Secretaria Civil, em Srinagar, Caxemira controlada pela Índia em 9 de agosto de 2019. -poderes autónomos e implementou uma repressão rigorosa. (Foto AP/Dar Yasin, Arquivo)

FILE - Indians wave national flags and shout slogans behind a police barricade during a protest against the Citizenship Amendment Act in New Delhi, India, Friday, Dec. 20, 2019. The new law provides a fast track to naturalization for some migrants who entered the country illegally while fleeing religious persecution. But it excludes Muslims, which critics say is discriminatory and a violation of India's Constitution. (AP Photo/Altaf Qadri, File)Indianos agitam bandeiras nacionais e gritam slogans atrás de uma barricada policial durante um protesto contra a Lei de Emenda à Cidadania em Nova Délhi, Índia, sexta-feira, 20 de dezembro de 2019. A nova lei fornece um caminho rápido para a naturalização de alguns imigrantes que entraram no país ilegalmente fugindo da perseguição religiosa. Mas exclui os muçulmanos, o que os críticos dizem ser discriminatório e uma violação da Constituição da Índia. (Foto AP/Altaf Qadri, Arquivo)

ARQUIVO - Agricultores indianos aguardam o resultado de uma reunião com o governo no local de protesto contra as novas leis agrícolas, em uma rodovia na fronteira do estado Delhi-Haryana, Índia, quinta-feira, 3 de dezembro de 2020. Governo do primeiro-ministro indiano Narendra Modi insistiu que as leis eram reformas necessárias para modernizar a agricultura indiana e levariam a um mercado desregulamentado com mais controle do setor privado sobre a agricultura. Os agricultores disseram que as leis reduziriam drasticamente seus rendimentos e os deixariam à mercê das grandes corporações. Depois de um ano, Modi fez um anúncio surpresa para retirá-los. (Foto AP/Manish Swarup, Arquivo)
_______________________
Original doc:
https://apnews.com/article/history-of-india-in-ap-photos-778f8b5ebca387b8a72641ca8572d56f?user_email=98429510b6d3f5bb635041395daec4595fcfc77b8284e3f135bab432fbb60101&utm_source=Sailthru&utm_medium=email&utm_campaign=Aug.%2014%20POW&utm_term=Morning%20Wire%20Subscribers
Logo

Nascemos porque acreditamos que a Regionalização é uma prioridade política nacional capaz de criar novos dinamismos sociais e económicos para construir uma sociedade mais justa e próspera.

Politicamente inconvenientes precisamos que seja nosso aliado na defesa da região Norte para enfrentarmos os desafios de sempre. Sem medo, com a independência que nos é oferecida pelos nossos leitores de quem dependemos ao produzir diariamente os conteúdos noticiosos que editamos.

Esteja connosco nesta luta comum. ASSINE AQUI. Obrigado