Sino dos Mouros

Detalhes… No “Reino” encantado do Minho… Vista do miradouro do Sino dos Mouros…

_____________________________________________________________________________________________
“A encosta de Caminha é toda ela uma varanda sobre a foz do rio Minho e o oceano Atlântico. Quem sobe à Serra d’Arga ou a qualquer zona alta do concelho, avista de muitos pontos paisagens de tirar o fôlego. Mas há miradouros que nos levam literalmente ao céu para contemplar o infinito.” – Ana Peixoto Fernandes.
_____________________________________________________________________________________________
CAMINHA – Em plena encosta de Caminha, apenas chega o som do oceano Atlântico, muito subtil e longínquo, mas com notas de imensidão. Avista-se, lá em baixo, um azul sem fim que abraça o céu e a terra, pintada pelo verde das florestas e pelo branco dos extensos areais e casario.
É uma visão do infinito, que começa na foz do rio Minho, percorre a praia de Moledo, a Ínsua ou Ínsua de Santo Isidro com o seu velho forte que primeiro foi mosteiro, o Pinhal do Camarido e o Monte de Santa Tecla, em Espanha, que pelos contornos nos faz imaginar um pequeno vulcão, onde existiu uma grande cidade: a citânia (castro) de Santa Trega / Santa Tecla, que se estima que terão vivido ali entre três mil a cinco mil pessoas, no século IV a.C. Esta paradisíaca paisagem desde o miradouro do Monte do Sino dos Mouros, deixamos com uma emoção que corta a respiração.
O miradouro fica no alto da encosta, outrora avistado de todos os pontos de Moledo e donde se pode ainda desfrutar uma paisagem fantástica, fica, incrustado num conjunto de penedos, marcado pelo Cruzeiro do Sino dos Mouros (nome que se deve à existência de uma laje granítica de grandes dimensões e cujo som, ao bater com uma pedra, lembra o tocar dos sinos). Também conhecido por Cruzeiro do Facho (por ter servido de atalaia, isto é, vigia, no tempo dos lusitanos e local onde se acendia um luzeiro durante a guerra peninsular com os franceses), foi mandado construir por Manuel Busquets de Aguilar e pelo Padre José Baptista Alves Lírio. A sua edificação (1940) pretendeu comemorar o oitavo centenário da fundação da nacionalidade portuguesa e o terceiro da sua restauração. Sobre a peanha, em degraus de granito, assenta a cruz em cimento armado.
O Textos, da revista Evasões e da página do Turismo do Porto e Norte de Portugal
(41°50’13.52″N 08°51’59.69″W) Monte do Sino dos Mouros – Moledo – Caminha – Viana do Castelo – Portugal
_____________
Por Daniel Jorge
______________________________________________________________________________________________

Logo

Nascemos porque acreditamos que a Regionalização é uma prioridade política nacional capaz de criar novos dinamismos sociais e económicos para construir uma sociedade mais justa e próspera.

Politicamente inconvenientes precisamos que seja nosso aliado na defesa da região Norte para enfrentarmos os desafios de sempre. Sem medo, com a independência que nos é oferecida pelos nossos leitores de quem dependemos ao produzir diariamente os conteúdos noticiosos que editamos.

Esteja connosco nesta luta comum. ASSINE AQUI. Obrigado

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com